Nomeação dos diretores da ANPD

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin

Em continuidade aos trabalhos para estruturar a Autoridade Nacional de Proteção de Danos (ANPD), Órgão que será responsável por assegurar a aplicabilidade da LGPD, foi feita a indicação, pelo Presidente da República, dos 5 diretores que irão compor a sua administração.

A primeira indicação foi para Diretor-Presidente e ficou com Waldemar Gonçalves Ortunho Junior, que é atual presidente da Telebras, mas também já teve passagens pelo Ministério da Defesa e das Comunicações.

O Segundo indicado foi Arthur Sabbat, que já foi integrante do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, sendo um dos responsáveis pela criação e implementação da política de ciber segurança do governo.

E, para completar as nomeações militares, foi indicado Joacil Basílio Rael, ex-assessor de Waldemar Gonçalves Ortunho Junior na Telebras.

Já as indicações civis ficaram com Miriam Wimmer, que é diretora de Serviços de Telecomunicações no Ministério das Comunicações e é professora de direito, tecnologia e inovação no Instituto de Direito Aplicado de Brasília e com Nairane Farias Rabelo Leitão, advogada integrante de um escritório especializado em privacidade e proteção de dados.

No dia 19 de outubro os indicados foram sabatinados pelo Senado Federal. Todos foram aprovados pela bancada da Comissão de Infraestrutura e exercerão o mandato de 6 anos.

Assim, vemos que há um claro movimento do governo para estruturar a ANPD e possibilitar a aplicação da LGPD em sua integralidade.

Torna-se indispensável, portanto, que as empresas que ainda não iniciaram ou não concluíram os seus processos de adequação à LGPD, agilizem a implantação, evitando os potenciais impactos negativos de futuras fiscalizações pela ANPD.

Para isso, também será essencial que essas empresas possam contar com o apoio técnico de profissionais especializados, para realizar a manutenção do sistema implementado, fazendo valer todos os esforços e investimentos despendidos na implantação, afinal esta etapa inicial é apenas o primeiro passo para a eficácia do sistema de proteção de dados e o consequente cumprimento da LGPD.

Eduardo Menezes, advogado especialista em direito digital e relações de consumo.

Share

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin

Related content

STF em breve se posicionará sobre eventual (in)constitucionalidade das medidas atípicas de pressão para recuperação de créditos

A possibilidade de aplicação de...

Projeto de Lei Complementar 249/2020 – Marco Legal das Startups

Foi apresentado pelo Poder Executivo, no último dia 20, o Projeto de Lei Complementar nº249/2020...

Nomeação dos diretores da ANPD

Em continuidade aos trabalhos para estruturar a Autoridade Nacional de Proteção de Danos (ANPD), Órgão que será responsável por assegurar...
WP Feedback

Dive straight into the feedback!
Login below and you can start commenting using your own user instantly