A esperada atuação e fiscalização dos Órgãos de Proteção e Defesa do Consumidor em relação aos Dados pessoais dos consumidores, frente à LGPD

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin

Com a entrada em vigor da LGPD, as regras que disciplinam o tratamento dos dados pessoais e estabelecem parâmetros para sua utilização já estão valendo e já podem ser objeto de fiscalização pelos Órgãos de Proteção e Defesa do Consumidor.

Mesmo após o processo de adequação das empresas, para tornarem suas operações aderentes às determinações contidas na LGPD, verifica-se que ainda diversas dúvidas persistem sobre o tema.

Uma das mais frequentes entre os que necessitam se adequar à Lei refere-se à fiscalização dos Órgãos Governamentais para aferir a aplicabilidade da LGPD e, especialmente, sobre a criação e estruturação da Agência Nacional de Proteção de Dados (ANPD) exercerá este papel, além de ser competente para aplicação de multas em caso de descumprimento.

Importante lembrar, que a fiscalização prevista na LGPD não está adstrita à esfera da ANPD, sendo esperada forte atuação dos Órgãos de Proteção e Defesa do Consumidor, tanto na esfera Estatual quando Municipal, vez que estes também têm legitimidade para fiscalizar e autuar empresas que não cumprirem a Lei Geral de Proteção de Dados.

Este poder decorre do simples enquadramento do Titular de Dados Pessoais como consumidor, já que a coleta destes dados, em grande parte, é originária de uma prestação de serviços ou venda de produtos, o que demanda a sua coleta e tratamento.

Uma vez que o Titular dos Dados Pessoais também pode ser um Consumidor, os Órgãos de Proteção e Defesa do Consumidor, possuem autonomia para receber reclamações decorrentes do tratamento indevido de dados pessoais, bem como, para abrir processos administrativos para a apuração dos fatos e, se for o caso, aplicar multa quando verificado o descumprimento da LGPD.

Neste cenário, além da LGPD nos trazer as diretrizes para tratamento de dados pessoais, o próprio Código de Defesa do Consumidor, muito antes, já dispunha de algumas regras relativas à proteção de dados pessoais, como aquelas descritas no artigo 43:

Art. 43. O consumidor, sem prejuízo do disposto no art. 86, terá acesso às informações existentes em cadastros, fichas, registros e dados pessoais e de consumo arquivados sobre ele, bem como sobreas suas respectivas fontes.

§ 1º Os cadastros e dados de consumidores devem ser objetivos, claros, verdadeiros e em linguagem de fácil compreensão, não podendo conter informações negativas referentes a período superior a cinco anos.

§ 2º A abertura de cadastro, ficha, registro e dados pessoais e de consumo deverá ser comunicada por escrito ao consumidor, quando não solicitada por ele.

§ 3º O consumidor, sempre que encontrar inexatidão nos seus dados e cadastros, poderá exigir sua imediata correção, devendo o arquivista, no prazo de cinco dias úteis, comunicara alteração aos eventuais destinatários das informações incorretas.

Conclui-se então, a ANPD não é o único Órgão com legitimidade para exercer a fiscalização da LGPD.

Apesar da ANPD ainda não ter sido totalmente estruturada pelo Governo Federal e as punições decorrentes da LGPD ocorrerem somente a partir de agosto de 2021, há que se considerar que os Órgãos de Proteção e Defesa do Consumidor já estão estruturados e possuem legitimidade para exercer a fiscalização desde já.

Neste cenário, é imprescindível que as empresas que ainda não se adequaram a lei, tenham em mente que um processo de fiscalização é um risco iminente e não uma situação vista num horizonte distante, como se imagina.

Eduardo Menezes, advogado especialista em direito digital e relações de consumo.

Acompanhe o S&S no Linkedin

Share

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin

Related content

STF em breve se posicionará sobre eventual (in)constitucionalidade das medidas atípicas de pressão para recuperação de créditos

A possibilidade de aplicação de...
WP Feedback

Dive straight into the feedback!
Login below and you can start commenting using your own user instantly